Archive for the ‘Viagens’ Category

Londres

Fevereiro 9, 2008

London Bridge

 

Tower of London

 

Big Ben

Anúncios

Surf em Munique

Outubro 2, 2007

Surfistas na crista da onda num pequeno braço do Isar no Englischergarten, em pleno centro de Munique.


Technorati : ,

Fotografias em Amsterdão

Junho 10, 2007

Duas exposições de fotografia em Amesterdão.

A famosa World Press Photo, na Oude Kerk, o local onde tradicionalmente é inaugurada a exposição antes de percorrer o mundo. A guerra e a miséria em África são um dos principais temas da exposição. A exposição vai estar patente até 17 de Junho. A World Press Photo não está programada para passar este ano por Lisboa, vai contudo passar por Portimão, pela Maia e pelo Funchal.

Uma exposição de fotografias, ao ar livre (na Westerplein), tendo como tema a vida selvagem. A exposição alerta também para problemas como a fome no mundo e a ajuda aos países mais pobres. As fotografias são de Steve Bloom e a exposição é organizada pela co-life. A exposição vai estar patente até 28 de Julho. As fotografias serão também exibidas em Oslo, Estocolmo, Moscovo e Dublin.


Technorati :

Foto do dia

Maio 31, 2007

Fim de tarde em Istambul com vista para a antiga Constantinopla… a Hagia Sophia, o Topkapi, a Mesquita Azul…


Technorati : , , ,

Fotos de İstanbul II

Janeiro 29, 2007


Travessia do Bósforo.


Vista exterior do palácio Dolmabahçe.


Salão dos embaixadores (Palácio Dolmabahçe).


Príncipe Franz Ferdinand (Palácio Dolmabahçe).

Entre outros retratos de monarcas europeus, um retrato do príncipe Franz Ferdinand (pretendente ao trono Austro-Húngaro) oferecido ao sultão do Império Otomano. Anos mais tarde, o assassinato de Franz Ferdinand em Sarajevo daria início à I Guerra Mundial que poria fim a ambos os impérios.

Fotos de İstanbul

Janeiro 28, 2007


Yerebatan Sarnıcı, Cisterna da Capela (Vista das colunas).


Yerebatan Sarnıcı, Cisterna da Capela (Medusa).


Ayasofya, Basílica de Santa Sofia (Painel de azulejos).


Ayasofya, Basílica de Santa Sofia (Vista do exterior).

İstanbul

Maio 11, 2006

Fazer churrascos parece ser a actividade de lazer preferida dos turcos. A sua preferência pelos grelhados é conhecida e fica portanto comprovada.

Artigos para churrasco

İstanbul – Porta do Oriente

Maio 8, 2006

Situada junto ao Bósforo (estreito que separa o Mar de Mármara do Mar Negro), a cidade foi fundada pelos colonos gregos liderados pelo Rei Byzas sob o nome de Bizantium. Byzas escolheu aquele local após ter consultado o oráculo de Delphos que lhe terá dito que deveria instalar-se num local oposto ao da “terra dos cegos”. O oráculo referia-se aos Calcedonianos, outros colonos gregos que se instalaram na margem oposta do Bósforo e que, segundo Byzas, deveriam ser cegos uma vez que não tinham escolhido aquela localização esplêndida, no acesso ao Bósforo, rodeada de água por três lados. Durante os séculos que se seguiram, entre 650 a.c. e o início do século I a.c., a cidade foi disputada e conquistada várias vezes por Persas, Espartanos e Gregos, até que finalmente, foi conquistada pelos romanos. Em 306 d.c., Constantino o Grande elevou Bizantium a capital do Império Romano mas agora sob o nome de Constantinopla. Durante o século V, o Império Romano foi palco de grandes convulsões, tendo os Bárbaros conquistado a parte Ocidental do Império, tendo Constantinopla mantido o estatuto de capital da parte Oriental do Império (Império Bizantino). Nos séculos que se seguiram, a cidade assistiu a grande expansão o que viria a torná-la alvo de grande cobiça por parte de Persas, Árabes, e dos Cruzados. Finalmente, enfraquecida por ataques constantes, a cidade viria a ser conquistada em 1453 pelos Turcos Otomanos liderados por Mehmet II. Este evento viria a marcar o final da Idade Média.
Sob o novo nome de Istambul, a cidade foi o ponto de partida das campanhas militares que deram origem da expansão do Império Otomano. Nos anos que se seguiram, Istambul tornou-se num grande centro político, cultural e económico. O domínio Otomano manteve-se até ao final da I Guerra Mundial. Por esta altura, já o Império Otomano estava em decadência e os impérios europeus se acotovelavam na ânsia de obter os melhores bocados que sobrariam da sua dissolução. Tendo feito aliança com a Alemanha durante a I Guerra Mundial, os Otomanos foram também vítimas de pesada derrota e Istambul acabaria ocupada pelas forças aliadas. Em 1923, liderado por Kemal Atatürk (Excelente Pai dos Turcos), aquilo que restava do exército Otomano consegui expulsar os exércitos invasores dando assim origem à actual República da Turquia. O preço que Istambul teve que pagar pela reconquista da independência turca, foi a perda do estatuto de capital em favor de Ancara.

Fazendo a ligação entre a Europa e a Ásia, Istambul continua a ser a maior cidade da Turquia com cerca de 13 milhões de habitantes e é também o maior centro económico, industrial e cultural. Com uma agitação idêntica à das outras grandes cidades europeias, o toque exótico de Istambul é dado pelas muitas mesquitas por toda a cidade e pelos sons próprios de paragens mais orientais.

Münster

Abril 11, 2006

Münster é uma das mais antigas cidades da Alemanha com cerca de 1200 anos e fica situada na província da Renânia do Norte-Vestfália. Em 793, Carlos Magno enviou como missionário para converter os Saxões com quem havia travado uma guerra, o frísio Liudger, oferecendo-lhe o forte franco de Mimigernaford junto ao rio Aa no cruzamento da estrada de Colónia com a estrada para a Frísia. Liudger construiu a sua igreja e o seu claustro na margem direita do rio Aa, no cimo da Hosterberg. Era um mosteiro e daí (monasterium) deriva o nome Münster.
Em 1648, foi assinada em Münster e Osnabrück a Paz da Vestfália que pôs fim à Guerra dos Trinta Anos e que lançou um marco para a construção da Europa moderna. Mais tarde, em 1780, foi criada a Universidade de Münster que, ainda hoje com cerca de 40 mil estudantes, é um centro de excelência para a educação e investigação tendo grandes faculdades de artes, humanidades, ciências, Economia e Direito. Em 1802, Münster foi conquistada pela Prússia durante as guerras napoleónicas e foi elevada a capital da província Prussiana da Vestfália. Durante a II Guerra Mundial, a cidade sofreu grande devastação causada pelos raids aéreos das tropas aliadas, mas após o final da guerra, foi reconstruída no sue estilo original.

Nijmegen

Fevereiro 14, 2006

Nijmegen é a mais antiga cidade da Holanda com cerca de 2000 anos e fica situada na província de Gelderland, junto à fronteira com a Alemanha, nas margens do rio Waal (Valão). A cidade foi fundada pelos romanos (o seu nome original é Ulpia Noviomagus, que significa “novo mercado”) junto às ruínas de uma colónia Batava – Oppidum Batavorum – e ao longo da sua história, dada a sua importante localização estratégica, foi local de acolhimento para vários reis e palco de importantes acontecimentos. No século VIII, Carlos Magno tornou-se dono do “Forte de Nijmegen” e nesse local viria a erigir o seu palácio. Durante o século XII, foi o imperador alemão Frederico Barbarossa que construiu a sua fortaleza na cidade. As “ruínas de Barbarossa” podem ainda ser vistas no Valkhof Park. Mais tarde, na última metade do século XVII, foram assinados em Nijmegen os tratados que puseram fim à Guerra Holandesa travada por Louis XIV de França. Já no século XX, durante a II Guerra Mundial, a cidade sofreu um bombardeamento lançado por engano pelas tropas aliadas que vitimou 800 pessoas. Alguns meses mais tarde, em Setembro de 1944, a cidade foi libertada numa operação que culminaria na libertação de toda a parte sul da Holanda. Após o final da Grande Guerra, a cidade e o seu centro foram reconstruídos tendo contudo os seus monumentos sido preservados.
Actualmente, Nijmegen é um importante centro industrial beneficiando de privilegiadas vias fluviais e ferroviárias. A cidade tem mais de 150000 habitantes, dos quais cerca de 20% são estudantes nas universidades da cidade.